nunojob:~ dscape/08$ echo The Black Sheep

Archive for the ‘University’ Category

IBM visita universidades com o programa DB2 on Campus

O programa DB2 on Campus, que pretende aproximar a comunidade estudantil deste motor de base de dados da IBM, vai visitar Portugal.

Eu estive muito envolvido neste programa sendo distinguido pela IBM pelos meus esforços enquanto um dos primeiros DB2 Ambassadors Portugueses. Dois exemplos:  o desenvolvimento do OSOTS e uma demonstração sobre METS Standard with IBM DB2 Express C using XForms as user-interface and Ruby on Rails as a Rest Web-services.

Foram estes projectos que facilitaram a minha visibilidade junto de alguns IBMers, o que possibilitou que fosse contratado para trabalhar no IBM Watson Research Center em Nova Iorque. Essa é, alias, a única razão pela qual não vou estar presente. Não vou estar em Portugal.

Quem estiver interessado em bases de dados e XML, ou talvez apenas em conhecer outros IBMers, pode/deve dar um salto ao DB2 on Campus. O evento vai ser realizado em duas universidades: Universidade do Minho e Instituto Superior Técnico.

Instituto Superior Técnico (TagusPark)

Universidade do Minho

Advertisements

Ando com vergonha

de pertencer a Universidade do Minho. E ao mesmo tempo inveja de não ser do Instituto Superior Técnico. A quem diga que proibir não a praxe não é correcto, mas eu sinto inveja de não puder passear pela minha universidade sem ver humilhações, hierarquias, palhaçadas, etc. Dizem que é preciso mudar mentalidades e que isso demora muito tempo. Mas banir as praxes é um óptimo primeiro passo nesse sentido. Não faz sentido que aqueles que são formados superiormente em Portugal consigam pensar como tal? Pode ser que o resto apareça magicamente por acréscimo. Não no imediato, mas talvez a longo prazo.

Pessoal do Minho, todos juntos. Usem o vosso cérebro. Recolham informação sobre praxe, leiam textos e opiniões. E depois, se continuarem a achar uma coisa bestial.. Bem nesse caso são casos perdidos. Mas eu acredito que alguns se apercebam da aberração que a praxe é. E mudem, e vejam que não faz sentido nenhum. Nunca fez.

Eu conheço muitos que se aperceberam, e tem vergonha de ter sido praxados e terem praxado. Ainda bem! (Mas não chega)

Uma coisa vos garanto e é esta. Quanto mais cedo começarem a pensar, mais arranjam um emprego fora desse call-center mal cheiroso onde trabalham. Mais cedo começam a ser respeitados pelo que fazem. E mais cedo conseguem fazer algo no qual se revêem e que vos dá gosto fazer.

Reitoria volta a atacar – As praxes académicas

A praxe é, por natureza, uma anormalidade. Não vou discutir que dentro da anormalidade que é algumas pessoas tentam, de facto, integrar os alunos. Mas é uma coisa medieval e não tem lugar numa instituição de ensino superior. Nos moldes que as praxes são praticadas isto é um facto. E os responsáveis pela universidade, como o reitor, sabem isto. Não o dizem porque só têm a perder e nada a ganhar. Mas sabem-o. Sabem-o mas não fazem nada acerca disso.

Contudo como o ministro Mariano Gago enviou um oficio a falar sobre a responsabilidade criminal das praxes seria de esperar que o reitor mudasse algo. A pergunta seria. Será que vai ter a coragem de proibir os actos de praxe na academia ou, muito simplesmente, irá passar a batata quente para o lado dos alunos/docentes/funcionários com um despacho que mostra o seu compromisso em querer mudar as coisas, sem de facto o fazer? A resposta, essa é simples

Aqui está ela:

– Todo e qualquer acto ou procedimento que configure ilícitos de natureza civil, criminal ou disciplinar, deve ser de imediato participado à Reitoria, seguindo a tramitação normal.

Por exemplo dar uma joelhada na cabeça de um miúdo recém entrado na universidade? Ou andar de mascaras a coagir os caloiros a fazerem coisas contra a sua vontade, até eles chorarem? Quem faz isto? Resposta simples: As pessoas que são consideras pela AAUM como a máxima entidade no que toca a praxe. A joelhada que eu presenciei foi dada, por exemplo, por aquele que toda a gente indica como próximo papa. É o número dois da praxe. Admirado? Claro que não.

– Qualquer agente da Universidade, docente, funcionário ou estudante, que presencie actos ou procedimentos que configurem ilícitos de natureza civil, criminal ou disciplinar e que os não participe, pode ser responsabilizado (civil ou criminalmente) por omissão, em coerência com o conteúdo do Ofício ministerial.

Traduzindo: Se vires denuncia. Se não o fizeres a culpa é tua. Nossa nunca é.
– A participação nas actividades com significado académico ou sócio-cultural, integradas no acolhimento aos novos alunos, tem carácter voluntário, pelo que nenhuma forma de coacção física ou psicológica deve ser permitida nas instalações da Universidade.

Acho que preciso de andar menos de 50m para ver isto a acontecer, pelo menos, umas 5 vezes num espaço de uma tarde.
Não são autorizadas em nenhuma circunstância, manifestações de acolhimento, fora do Programa de Acolhimento aos Novos Alunos, que perturbem o normal funcionamento das actividades da Universidade.

Como dizer aos alunos para faltarem as aulas para ir fazer a praxe X/Y? Também nunca aconteceu. Nem vai continuar a acontecer…E a parte das manifestações de acolhimento é de rir. Digno de um sketch de gato fedorento. Estarão-se a referir a rebolar na lama, fazer flexões ou comer cebolas cruas?

Isto tudo é um pouco como o Marcelo e o aborto. É proibido, mas pode fazer-se. Eu cá aguardo o dia em que o reitor da Universidade do Minho seja uma pessoa de convicções e que não tenha medo de enfrentar as tempestades em prol de uma universidade melhor. Até lá, boa sorte aos caloiros.

O meu conselho é não participem nas praxes, nem assinem documentos a dizer que são anti nada, nem sequer liguem a qualquer pessoa que vos pede para os tratar por doutor/engenheiro. E se algum for contra o que diz neste despacho, denunciem a associação académica e não aceitem a lavagem que eles vos vão tentar dar a dizer que não há necessidade e é uma coisa de nada. Há necessidade e é muito grave. Se eles não fizerem nada, denunciem a policia e depois fiquem a ver como eles começam a saltar quando o fogo lhes chega ao rabo. Não deixem que ninguém vós rebaixe ou vos humilhe. Os vossos pais estão a pagar pela vossa educação, não para que uma cambada de imbecis vos trate como se não fossem humanos e tivessem menos direitos.

myAmbrosio

Para aqueles que andam sempre atentos as novas startups aqui está mais um projecto inovador acabadinho de sair da Universidade do Minho. Apesar de o projecto ainda estar muito verde os autores já contam com algumas parcerias importantes, assim como o sempre necessário apoio financeiro.

A ideia por trás do Ambrosio é um agregador de produtos/lojas de comercio tradicional, servindo este como veiculo de promoção das lojas/produtos e fornecendo aos utilizadores finais produtos que, por exemplo, não conseguem comprar num Hipermercado perto de si. Outro tipo de mercado que se pode abrir é certamento o do turismo rural através de, por exemplo, uma sugestão de onde dormir, onde comer ou indicação de onde estão a decorrer as festas tradicionais da terra.

Caso estejam interessados no conceito podem ver o video explicativo acabadinho de sair e contactar os autores com sugestões.

Summer School CDDIP 2008, Struer, Denmark – Selected!

I was selected for all paid trip Struer (Denmark) representing University of Minho – Portugal in the Summer School CDDIP 2008 Erasmus IP program. As far as I know at least five lucky Portuguese students will attend.

But what is CDDIP? CDDIP stands for Conceptual Design and Development of Innovative Products and the goal is to facilitate better interdisciplinary and multidisciplinary collaboration for BSc and MSc students with different technical backgrounds.

If you are from another country and you are also going you can leave me a comment. See you there!

Problema resolvido: NetworkContacto, As candidaturas estão abertas

Como viram andava aborrecido com o facto de não me conseguir candidatar ao programa. Bem parece que o problema está resolvido.

Para quem não sabe o NetworkContacto é um programa de estágios internacionais financiados dentro da comunidade europeia. Existem programas parecidos para, por exemplo, fazer estágio no Japão (Vulcanus in Japan).

Boas candidaturas e viagens :)

Lembram-se do e-archia?

FACTOS:

OBS:

Não há links para os trabalhos de 12 porque nenhum deles está online.

Deve ter sido por causa de não ter corrigido os erros ortográficos. É que parecendo que não. É chato! E com o tempo torna-se aborrecido.