nunojob:~ dscape/08$ echo The Black Sheep

Archive for June, 2008

Diablo 3 – Cinematic Trailer

Promete.. Podem visitar o site que acabou de abrir a coisa de uma hora.

Piano Vertical Scherer

A minha prima está a vender um piano em bom estado.

Se alguém estiver interessado => Joana Pinto: joanajpinto@gmail.com

Mobicomp comprada pela Microsoft

Já lá trabalhei, sai com uma óptima opinião sobre a empresa e uma maior ambição de fazer mais de mim mesmo.

Agora foram comprados pela Microsoft. (2) Já a algum tempo tinha conhecimento da visita que a Microsoft tinha feito as instalações e já suspeitava do negocio.

Parabéns a todos, Carlos, Ricardo, Ernesto, Rui e Marco ;) Parece que já podem comprar um iPhone novo (gostaram da piada?) :P

Nova startup promete arrasar com o maisgasolina

Novo e intrigante email que recebi hoje:

Chegou a concorrência ao maisgasolina e, ao que parece, tem pernas para andar. Um dos autores é Tiago Ribeiro, que foi recentemente premiado pela microsoft (buuh) com o premio great minds, great efforts, e é também o mentor do project e-sharing. Para já deixo-vos o email que recebi.

Olá!

A thirdlabs, em parceria com a InnovationPoint S.A., gostaria de convidar a comunidade académica a participar no seu novo comparador de combustíveis gasmappers.com, que acaba de lançar no mercado nacional. Trata-se de um portal comunitário, de adesão livre e com uma interface intuitiva que permite saber quais os postos mais económicos para abastecerem o vosso carro, de acordo com vários critérios e condições de geolocalização.

Este convite (…), sendo a equipa composta por um aluno do 3º ano do Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica da Univ. do Minho (Rui Marinho), por um ex-aluno de Engenharia Informática do Instituto Politécnico do Porto (Sérgio Castro) e ainda por um aluno do Mestrado em Engenharia Informática da Univ. do Minho (Tiago Ribeiro).

Esperamos que desfrutem do site e que contribuam sempre que possível. Estamos abertos a sugestões e comentários, quer via Google groups, quer por email para info@gasmappers.com.

Cuidado com os tigres

Mais uma excelente talk do Steve Yegge.

Scala, now, is the tiger that’s going to kill Java. Because their [type-talisman] argument now has become a paradox, similar to the Paul Graham Blub Paradox thing, right? Because they’re like, “Well, we need static typing in order to engineer good systems. It’s simply not possible otherwise.”

The Scala people come in and they go: “Your type system suuuuuucks. It’s not sound. It’s not safe. It’s not complete. You’re casting your way around it. It doesn’t actually prevent this large class of bugs. How many times have you written catch (NullPointerException x) ... in Java? Our type system doesn’t allow [things like] that.”

Our type system does what you said your type system was doing.

So, therefore, you should be using it! ∴

And the Java people look at it and go: “Wehellll… (cough cough)… I mean, yeah, I mean… (*ahem*)(running finger under collar, as if sweating profusely) They say, “Welllll… you know… it’s awfully… cummmmmbersome… I…”

“We can actually get around the problems in practice that you guys say your type system is solving through Good Engineering Practices.”

(laughter begins to grow)

HA!!! (I point accusingly at the audience, and there’s more laughter)

Yeah.

So Scala is creating a real problem for [Java’s] static typing camp now. Because their last little bastion of why they’re using it, the whole tigers argument, they’re like, “Ah, well… we… we keep shotguns in our house.” [This is what they’ve been reduced to.]

OK? Yeeeeahhhh…

So back to dynamic languages!

Ruby Ruby Ruby Ruby

Parece que fui ao rock in rio ver kaiser chiefs (e fui).

Estava para aqui a brincar ao ruby e assim do nada encontro-me a chamar métodos dinamicamente (ruby as a meta-language) que devolviam strings. Tudo bem até chegar a um que devolvia integer e eis que aparece aquele erro:

NoMethodError in SearchController#search

undefined method `include?’ for 7:Fixnum

Que fazer? Mudar aquela linha de código por um if e contemplar as duas possibilidades? Ou simplesmente alterar o Fixnum e ensinar-lhe o que eu esperava que o include? fizesse? Eu fui pela segunda opção:


class Fixnum
  def include?(object)
    to_i == object.to_i
  end
end

Em linguagens assim dá gosto trabalhar!

Desabafo sobre o mestrado

O mestrado em que estou é composto por duas unidades de especialização. Penso que foi feito assim para permitir as pessoas especializarem-se podendo trabalhar ao mesmo tempo, já que em regime part-time podem frequentar uma UCE durante um dia por semana (e pagar metade da propina) enquanto trabalham em outros cinco dias.

A ousadia e modelo idealizado por alguns dos directores de departamento (e conselho cientifico) merece, na minha opinião, um forte apoio por parte dos alunos. Não foram em pantominisses de mestrados integrados que dão direito a licenciaturas da treta, remodelaram a licenciatura a sério e pensaram num plano de mestrado a altura. Poucos foram os que foram tão longe e é por isto que a Universidade do Minho acaba sempre por ter bons cursos. Tomam-se boas decisões na altura de remodelar, sem ser a reboque de decisões duvidosas baseadas em premissas obscuras (pe: despedimentos, o não aumento das propinas, etc)

Para mim o problema das decisões foi… Apenas as que eu tomei.

Na altura tive uma discussão com um amigo meu (Olá Diogo) sobre se se deveria ou não escolher a área de especialização tendo como critério principal a qualidade dos docentes. Eu defendi que seria um absurdo escolher não pela área que gostamos mas apenas porque os professores são mais competentes (organizados, cientificamente capazes, actualizados, etc). O Diogo sempre defendeu o contrario, que seria impossível ter um mestrado a altura sem aproveitar o melhor que o departamento tem para oferecer em termos de docentes.

Hoje penso que estava errado.

Dia após dia faço trabalhos que não considero dignos de serem englobados no mestrado, não existe um planeamento cuidado das aulas, não existe uma aprendizagem vocacionada para criar investigadores. Tudo o que sei sobre artigos científicos, ou teses aprendido dentro da Universidade foi na especialização que partilho com o Diogo, que tem um corpo docente muito bom. Na outra são trabalhinhos, ferramentas, brincadeiras, tpcs. Dá a ideia que se pode faltar um semestre inteiro e aparecer na altura do exame e tirar a mesma nota (ou melhor) que se tivéssemos frequentado as aulas. Os docentes dizem aos alunos que o mestrado não tem saídas profissionais (o que é mentira, eu vou ter estágio na área) , não estabelecem a calendarização das aulas (nem sequer dos exames), tratam mal os alunos, até chegam ao cumulo da desgraça de referir alunos por terem uma ou outra deficiência e achar isso “incrível”. Existem pessoas sem escrúpulos capazes de abusar da sua posição de poder para passar a mensagem que estão ao vosso nível (talvez queiram mostrar que são superiores, mas eu não tenho respeito por pessoas assim. Desprezo-as). Acreditem passaram-se coisas comigo que eu considero inacreditáveis. Docentes que tiveram atitudes de tal forma graves, e em frente a outros docentes, mas que passaram completamente impunes. Eu também assim o permiti porque muito sinceramente a minha vida é outra e não me dei ao trabalho de me chatear. Mas pergunto-me, como podem os outros olhar para o lado e fingir que nada se passou? Claro que tudo isto é sempre injusto para alguns docentes que são competentes mas sem grande culpa ficam associados a tudo isto. Mas já dizia o outro “diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és”

Ainda nem falei da sobrecarga de trabalhos que são dadas em outras especializações mas resumindo cabe tudo nisto: Se estão a considerar entrar no mestrado em informática na Universidade do Minho tem aqui um incentivo. Mas informem-se sobre quais as especializações que são de facto algo de relevante. E informem-se sobre os docentes. E tomem boas decisões. Não que acredite que vos vá mudar o rumo profissional mas, pelo menos, tenho a certeza que vão passar um ano bem mais agradável e dar o vosso dinheiro por melhor gasto.

Está aqui o meu email e estou sempre disponível para esclarecimentos :) Vou voltar aos trabalhinhos patéticos que faço para o mestrado. Sinto que estou a desaprender quando o faço, e sinto uma tristeza e vergonha semelhante a que teria se trabalhasse na Microsoft (pessoal isto foi uma piada) :P