nunojob:~ dscape/08$ echo The Black Sheep

Archive for September, 2007

Clã – Cintura

Os Clã lançam Segunda-Feira o seu novo disco. Para mim são óptimas noticias, se bem que fico triste por ver que, mais uma vez, o Manel Cruz não escreveu nenhuma das músicas do disco.

Lista de Compras: Maria Rita, Clã, Katie Melua. Quem me quiser dar uma prenda, já sabe :P (Ao menos tentei!)

Quem os quiser ver:

Pode ir a Recepção ao Caloiro de Aveiro (dia 6), FNAC NorteShopping (dia 12, grátis), Theatro Circo (blog) em Braga (15€, 17 Novembro) ou então dia 12 de Dezembro a Casa da Música. Não se os preços mas suponho que os espectáculos da Casa da Música e Theatro Circo vão ser fabulosos.

O alinhamento completo de Cintura é o seguinte:

  1. Vamos Esta Noite [Arnaldo Antunes/Clã]
  2. Adeus Amor (Bye, Bye) [Carlos Tê/Hélder Gonçalves]
  3. Tira a Teima [Carlos Tê/Hélder Gonçalves]
  4. Fábrica de Amores [Adolfo Luxúria Canibal/Hélder Gonçalves]
  5. Amuo [Carlos Tê/Hélder Gonçalves]
  6. Sexto Andar [Carlos Tê/Hélder Gonçalves]
  7. Ponto Zero [Carlos Tê/Hélder Gonçalves]
  8. Pra Continuar [Arnaldo Antunes/Hélder Gonçalves]
  9. Pequena Morte [Regina Guimarães/Hélder Gonçalves]
  10. Narciso sobre Rodas [Carlos Tê/Hélder Gonçalves]
  11. Mandarim [Hélder Gonçalves]

E agora aqui fica o primeiro single, ao vivo, como visto nas míticas noites Ritual Rock.

<whine> O Theatro Circo já fazia um site (ou blog) digno desse nome, pelo menos com um raio duma agenda e preços dos espectáculos. Ou punham um pdf com a brochura que distribuem pela cidade, sei lá. Mas já soube por pessoal que lá trabalha que quando foi pra construir quiseram tudo do melhor. E realmente aquilo é uma obra fantástica. Mas agora, nunca há dinheiro… Haja paciência, só aqui em Portugal. Sobre as Noites Ritual tentarem obrigar o pessoal a ir aos dois dias não fazendo bilhete diário.. Eu que teria pago 10€ para ver Clã, não pago 15€ para ver Clã e David Fonseca. Porquê? Porque não quero, e o dinheiro é meu! Motivo suficiente não?</whine>

Advertisements

Já que me andam a citar por ai…

“Quero continuar a contribuir para que o país deixe de ser tão triste, mesquinho, pequenino e ridículo.” diz Luís Filipe Menezes.

Ainda bem que o senhor é português, senão sabe-se lá o que diria. Mas vamos lá a NÃO votar muito nele; se fica poderoso ainda manda fuzilar o país inteiro.

Ah, vou ter umas laranjas podres guardadinhas no bar para lhe fazer o suminho quando ele lá for. É o mínimo que posso fazer pelo meu país pequenino, mesquinho, insignificante, medíocre, escasso, somítico, amargurado, grotesco, risível, idiota, asqueroso, nauseabundo, repugnante. Uff, sinto que cometi uma heresia e que devia ser queimada na fogueira, mas sei quem levaria junto tá bem sôtor Menezes.

Opinião presente na página da Joana que copiei na integra já que a subscrevo da mesma forma. Mesma família, mesmo na politica. Até agora tentei, na minha máxima força, não comentar politica neste blog. Mas é difícil, esta-me no sangue.

Aproveito para dizer que, ao abrigo de Bolonha, a Joana está a acabar o quarto ano da sua licenciatura. Se reprovar vai ficar licenciada (já que apanha a transição Bolonha e fica com o curso em três anos). Se passar fica licenciada, na mesma situação que todos os seus colegas que o fizeram em três anos.

“Tristes, mesquinhos, pequeninos e ridículos” políticos fazem com que outras situações como esta sejam possíveis. Situações como pagar duas propinas, não se ter direito a concluir a educação no plano de estudos no qual se ingressou, retirarem dois anos a uma licenciatura privando de disciplinas fundamentais e obrigando pessoas economicamente carenciadas a pagar um mestrado para reparar essas lacunas. Devo eu continuar? Parece-me que não, pequeninitos políticos, senão não iria parar tão cedo.

“Partidos políticos”, já pensaram na junção destas duas palavras? Parece feita no inferno.

Tomar partidos na politica, esperar-se-ia que fosse o dos Portugueses.

Mais nada!!

O partido dos ridículos, pequenos, desprezáveis… Nós!

Enquanto foi escrito este artigo houve mais três políticos a porem vídeos no youtube e a usarem palavras como clicar nesse vídeo. Isso é que é politica de nova geração, sem duvida. Trash-Politics!

E depois eu é que sou da geração rasca.. Só vejo palhaços a governar um pais e nenhum deles sabe que existem IDEAIS diferentes de “ser rico, famoso e ter uma carreira invejável”.

Um dia cheio de novidades

Primeiro, logo após a meia noite, fui convidado de forma oficial para reforçar a equipa do Centro de Apoio ao Open Source (CAOS) do CeSIUM. Convite que aceitei já que é, sem dúvida, um dos melhores centros de aprendizagem na Universidade do Minho. Ao menos a ver por quem por lá passou… Mas aquela página! Uma pessoa até fica católica, “meu deus” :P

Depois a aproximação da IBM sobre o tema do DB2 Ambassador.

Tive recentemente uma experiência muito negativa com a Microsoft num programa deste género (MSP), portanto já não sei o que esperar das grandes empresas. Talvez a IBM seja diferente porque eu não trabalho com empresas como a Microsoft. As empresas precisam de nós e devem por isso tratar-nos com respeito e dignidade profissional. Na minha opinião, não somos só nos que precisamos da Microsoft, a Microsoft também precisa de nós. Mas se tratar todos os MSP’s como tratou aquando de os convidar este ano, podem bem esquecer.

Desaconselho com toda a convicção as pessoas de sequer conversarem com a Microsoft sobre serem Student Partners. Pode ser um programa muito bom, mas apenas o façam se acham razoável subjugar-se, vender-se e aceitar “merda” dos outros. Quem não acha isto razoável, esqueçam.

Agora, já no fim do dia (e mais um bocadinho) aparecem novidades sobre o formato do concurso do Sapo Codebits. Leiam e vejam porque digo que ai está um concurso de programação digno desse nome. Que sorte vão ter os convidados a está primeira edição, pode ser que me saia a sorte, senão acompanharei de fora o evento.

Empresas de Software Open Source em Portugal

Nasceu dia 25 de Setembro a Associação de Empresas de Software Open Source em Portugal (ESOP). A associação é formada por empresas nossas conhecidas e parece ser um passo em frente para o desenvolvimento open-source em Portugal. Boa sorte!

Google Philosophy

Many are the cybernauts currently putting Google on a hold, suspecting a Big-Brother-like conspiracy.

It seems to me that many bloggers are only replicators, so when someone respected posts his opinion the very same opinion will emerge in something like 20 other blogs. I wasn’t aware of this reality until recently. I can’t seem to get the point of posting something if you don’t connect to it, if you don’t feel like writing something about it.

Continuing on Google I understand the concern of a multi-million dollar corporation having to much information about us all. But it seems to me that they are an example to follow, they need to be or they would be out of business. If users didn’t trust Google, it would cease to exist.

Just check they philosophy:

  1. Focus on the user and all else will follow.
  2. It’s best to do one thing really, really well.
  3. Fast is better than slow.
  4. Democracy on the web works.
  5. You don’t need to be at your desk to need an answer.
  6. You can make money without doing evil.
  7. There’s always more information out there.
  8. The need for information crosses all borders.
  9. You can be serious without a suit.
  10. Great just isn’t good enough.

Finally I advise you to see this article about Google Zurich.

Online Backup

Quando trabalhei na MobiComp este conceito do online backup estava sempre a rondar a minha cabeça. Numa das minhas pesquisas descobri um já muito evoluído Mozy. Infelizmente não quero apenas backup como em soluções como esta, queria mais algo do tipo everything-everywhere. Penso que o GDrive será mais ou menos um Mozy da Google e, neste sentido, talvez o MobileKeeper seja mesmo das poucas soluções disponíveis que se aproximam deste conceito.

Não se ponham a pensar que a MobiComp vai aparecer e levar tudo. É uma empresa de média dimensão, sem capacidade para lutar contra os gigantes que lhe fariam frente. Apesar de ter a possibilidade de inovar, criando um novo nicho de mercado, nunca o fará a custa da sua estabilidade financeira (que se encontra dependente da sua carteira de clientes na industria móvel)

De qualquer forma estava hoje a ver os feeds e deparei-me um, para mim, até agora desconhecido competidor do Mozy. A diferença é simples, não te dão 2Gb de espaço mas sim espaço ilimitado durante 15 dias. Se quiserem mais informações visitem o site do Carbonite. Se quiserem 25Gb grátis sem limite te tempo pode ver o MediaMax.

DB2 Express C for Mac

I attended a conference by Vítor Rodrigues on DB2 pureXML approach on University of Minho last Wednesday. I was quite please to see that DB2 Express C was available for free and that, as far as I’m concerned, all features where available. You might not know this but most of my colleagues use Mac, so the main downfall for the presentation was the fact that no Mac version was available. Well, according to Antonio Cangiano that about to change. IBM is working on some beta version of DB2 for Mac, and it’s not just the client. It’s the whole thing. You can check for details here.

Another thing worthy of mention, the post Cangiano made about Haskell. It’s called Haskell Eye for the Ruby Guy and, in a certain way, represents that topic introduced here some days ago. Definitely worth the time you will spend reading it.

The ever growing software complexity requires the power of high level abstractions and the functional paradigm which helps us adopt a more declarative programming style where the side effects are marginalized.